segunda-feira, 9 de junho de 2008

O PROFETA JEREMIAS E A INTEGRIDADE

Jeremias 15:15


“Tu, ó SENHOR, o sabes; lembra-te de mim, e visita-me, e vinga-me dos meus perseguidores; não me arrebates por tua longanimidade; sabe que por amor de ti tenho sofrido afronta”

Jeremias recebeu sua chamada para o ministério quando era jovem, apesar de ter sido escolhido por Deus desde o ventre de sua mãe, Jr 1. Foi muito perseguido em seu ministério. Tinha uma paixão pelo seu povo, mas não negava de lhes entregar a Palavra profética como Deus lhe ordenava.

Uma das coisas mais interessantes da vida de Jeremias era como ele defendia sua integridade diante de Deus. Como outros profetas que viveram em épocas de pura abominação e pecado, ele escolheu uma vida íntegra ao Senhor. Jesus teve a ousadia de dizer aos religiosos da época: “quem de vós me convence de pecado?”

Em épocas em que todos abraçaram o pecado, todos se desviaram do Senhor, todos escolheram outros deuses, todos se prostituíram, Jeremias se tornou uma voz destoante dos hábitos de sua época. Era inconformado com o molde pecaminoso do povo.

Mesmo escolhido como profeta desde sua infância, não era fácil permanecer nesta integridade. Os costumes pagãos estavam entranhados na cultura da época, poucos eram os que permaneciam com seu culto ao Senhor. E os Seus profetas eram perseguidos e mortos.
Jeremias era profeta do Senhor em meio a enorme pressão religiosa e política. A maioria estava contra ele. Mas ainda assim ele encontrava forças para clamar por este povo rebelde.
O que movia o coração de Jeremias para clamar tão intensamente pelo povo? O povo não aceitava suas palavras, resistia à sua presença, os líderes o perseguiam, mas ainda assim ele clamava pelo povo.

Jeremias não se conformou com a situação de seus irmãos. Estes estavam fadados à morte e ao cativeiro, o Senhor mostrara a Jeremias o destino destes. Mas o profeta não se conformou. Clamou enquanto pode, chorou enquanto pode. Ele sabia que a vontade de Deus é soberana, sabia que Deus é justo, mas conhecia como ninguém o quanto Deus é misericordioso. Deus pediu que ele não orasse pelo povo, uma vez que a coisa estava feia, a rebeldia era muito grande, Jr 7:16-18 “Tu, pois, não ores por este povo, nem levantes por ele clamor ou oração, nem me importunes, porque eu não te ouvirei. Não vês tu o que andam fazendo nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém? Os filhos apanham a lenha, e os pais acendem o fogo, e as mulheres amassam a farinha, para fazerem bolos à deusa chamada Rainha dos Céus, e oferecem libações a outros deuses, para me provocarem à ira”.

E apelando para a Sua misericórdia aplacou diversas vezes o Seu furor. Talvez se não fora por Jeremias, Israel teria um destino muito pior que o cativeiro.

O profeta tem muito a nos ensinar nos dias de hoje. Vivemos dias em que abominações estão se tornando comuns; em que vivemos pressionados a nos adaptar às mais diversas heresias sob a desculpa de que devemos aceitar as diferenças. Somos desafiados a abrir mão de nossos princípios para aceitar a imoralidade apenas como se ela fosse uma opção a mais.

Interessante é que nós devemos respeitar as diferenças, mas de modo algum somos respeitados. Somos afrontados diariamente pelos políticos, pelos intelectuais, pelos cientistas, pelos estudiosos, pela mídia. E a sociedade ainda nos chama de ignorantes e preconceituosos.

Mas fiquemos com a lição do Profeta Jeremias. Que falou as palavras de Juízo do Senhor, mas em momento algum se omitiu, ou deixou de clamar por aquela geração. Somos os Jeremias de nosso tempo. E como ele, não nos corrompamos e não deixemos de clamar e de anunciar as coisas que o Senhor nos tem falado.

CONCLUSÃO: A integridade de um homem de Deus é medida de três formas: pelo "ser" e não pelo "fazer"; pelas ações e não apenas pelas palavras; pelo comportamento em situações adversas sem perder o equilíbrio emocional. Deus requer de seus ministros justiça, verdade, obediência, providência e preservação.
Postar um comentário