sábado, 5 de abril de 2008

DESAFIOS NA VIDA DE UM CONQUISTADOR

Deuteronômio 31:1-8

  INTRODUÇÃO: Ser conquistador é viver sempre avançando, mesmo que venham ventos contrários. Alguém afirmou: "cada dificuldade encerra uma vantagem; cada problema oculta uma solução". Para aprendermos a nadar é preciso criarmos coragem e tirarmos os pés do chão, porque "A História tem demonstrado que os mais notáveis vencedores normalmente encontraram obstáculos dolorosos antes de triunfarem. Eles venceram porque se recusaram a se tornarem desencorajados por suas derrotas" (B. C. Forbes).

  TRANSIÇÃO: O texto básico fala sobre uma reunião de Moisés com o povo de Israel. Ele afirmou que Deus havia lhe dito que ele não entraria na terra da promessa, mas que Josué era a pessoa certa para introduzir o povo na terra. Ele se dirigiu a Josué e o incentivou a manter-se firme e não temer as circunstâncias, pois Deus estava à sua frente. Vamos aprender hoje sobre: desafios na vida de um conquistador.

  1. APARENTES BARREIRAS INTRANSPONÍVEIS, Js 3 e 6 1.1.

O rio Jordão – conforme podemos ver a coisa não era fácil e, pior ainda, porque era tempo de enchentes, Js 3:15. Eles ficaram à margem do rio três dias, Js 3:2. Após, os sacerdotes deram um comunicado a todos, que deveriam seguir após a arca (símbolo da presença de Deus), Js 3:3. Veja que com Deus a frente o extraordinário acontece, Js 3:16 - "pararam-se as águas que vinham de cima; levantaram-se num montão, mui longe da cidade de Adã, que está da banda de Sartã; e as que desciam ao mar das Campinas, que é o mar Salgado, faltavam de todo e separaram-se; então, passou o povo defronte de Jericó" (Josué 3:16). Com Deus não haverá impossíveis. Jovens conquistadores vão surgir muitas barreiras aparentemente intransponíveis à nossa frente, mas vamos ultrapassá-las milagrosamente. O segredo está em Js 3:5, que diz: "Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós". Deus se encarrega de honrar aqueles que nele confiam e são fiéis: "Naquele dia, o Senhor engrandeceu a Josué diante dos olhos de todo o Israel; e temeram-no, como haviam temido a Moisés, todos os dias da sua vida" (Josué 4:14). 1.2. As muralhas de Jericó - diz a Palavra que Jericó estava cerrada, isto é praticamente lacrada, Js 6:1. Não havia nenhum sinal de movimento – ninguém entrava e ninguém saía. O que havia era uma promessa que dizia: "Então, disse o Senhor a Josué: Olha, tenho dado na tua mão a Jericó, e ao seu rei, e aos seus valentes e valorosos" (Josué 6:2). Vemos aqui que se trata de uma intervenção de Deus, portanto caberia ao povo apenas seguir as ordens que lhes foram dadas através de Josué. Outra coisa que deve ficar bem enfatizado é que deveria haver a unidade do povo: todos deveriam rodear a cidade; todos deveriam perseverar todos os dias, todos deveriam gritar quando fosse preciso. Deus quer um povo unido, Sl 133. Após cumprirem a ordem de rodear a cidade, agora só faltava uma coisa um belo grito profético para concluir a conquista: "Gritou, pois, o povo, tocando os sacerdotes as buzinas; e sucedeu que, ouvindo o povo o sonido da buzina, gritou o povo com grande grita; e o muro caiu abaixo, e o povo subiu à cidade, cada qual em frente de si, e tomaram a cidade" (Josué 6:20).

  2. TRAIÇÃO POR PROBEMAS INTERNOS, Js 7 e 8

É muito perigoso nos empolgarmos com as conquistas e acabarmos ficando convencidos e mal acostumados que perdemos o temor de Deus e, com isso as bênçãos passam a ser comuns e, por conseqüência, passamos a desvalorizá-las com nossas atitudes. Veja o que Deus havia falado ao povo antes de conquistar Jericó: "Tão somente guardai-vos do anátema, para que não vos metais em anátema tomando dela, e assim façais maldito o arraial de Israel, e o turveis" (Josué 6:18). No entanto, veja o que aconteceu: "E prevaricaram os filhos de Israel no anátema; porque Acã, filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá, tomou do anátema, e a ira do Senhor se acendeu contra os filhos de Israel" (Josué 7:1). Tudo parecia que estava bem. O problema é que uma batalha nova pode aparecer, pois as conquistas devem ser constantes. Chegou o momento de mais um combate. Havia uma cidade chamada Ai, muito inferior a Jericó. Então veja o texto: "Enviando, pois, Josué, de Jericó, alguns homens a Ai, que está junto a Bete-Áven, da banda do oriente de Betel, falou-lhes, dizendo: Subi e espiai a terra. Subiram, pois, aqueles homens e espiaram a Ai. E voltaram a Josué e disseram-lhe: Não suba todo o povo; subam alguns dois mil ou três mil homens a ferir a Ai; não fatigues ali a todo o povo, porque poucos são os inimigos. Assim, subiram lá do povo alguns três mil homens, os quais fugiram diante dos homens de Ai" (Josué 7:2-4). A coisa parecia fácil. E, na verdade era para ser, se não houvesse um problema interno. Eles foram humilhados, Js 7:5. Josué se colocou diante de Deus em oração, Js 7:6-9. Deus lhe revelou que havia um problema entre eles de infidelidade, Js 7:10-15. Nos versos 19 a 21 é descoberto o problema: Acã havia ocultado em sua tenda algumas coisas: "Quando vi entre os despojos uma boa capa babilônica, e duzentos siclos de prata e, uma cunha de ouro do peso de cinqüenta siclos, cobicei-os e tomei-os; e eis que estão escondidos na terra, no meio da minha tenda, e a prata, debaixo dela" (Josué 7:21). Após a eliminação do mal e a santificação do povo, voltaram a sorrir e a vencer: "Então, disse o Senhor a Josué: Não temas e não te espantes; toma contigo toda a gente de guerra, e levanta-te, e sobe a Ai; olha que te tenho dado na tua mão o rei de Ai, e o seu povo, e a sua cidade, e a sua terra" (Josué 8:1, BEARC). Mediante mais um ato profético – o estender da lança – houve a conquista: "Então, o Senhor disse a Josué: Estende a lança que tens na tua mão, para Ai, porque a darei na tua mão. E Josué estendeu a lança, que estava na sua mão, para a cidade" (Josué 8:18, BEARC). "Porque Josué não retirou a sua mão, que estendera com a lança, até destruir totalmente a todos os moradores de Ai" (Josué 8:26, BEARC). "E todos os que caíram aquele dia, assim homens como mulheres, foram doze mil; todos moradores de Ai" (Josué 8:25). Portanto, jovens conquistadores não permitam que em seus corações haja nada do anátema, isto é nenhuma brecha para maldição. Santificai-vos para a conquista!

  3. PERIGO DAS ALIANÇAS ERRADAS, Js 9

Se olharmos para Josué 9:1-2 vamos observar que os inimigos ouvindo que o povo de Israel estava imbatível, se uniram para tentar derrotá-lo. Meu irmão é nessa hora que precisamos ser cautelosos. Podemos imaginar que Josué deve ter tremido na base ao saber das alianças inimigas. Mas não podemos esquecer que: “Se Deus é por nós, quem será contra nós” (Rm 8:31). Os gibeonitas fingiram que eram moradores de uma terra longínqua, trouxeram pão embolorado para facilitar seus argumentos enganosos e fazer uma aliança com o povo de Israel, Js 9:3-5. "Então, aqueles homens israelitas tomaram da sua provisão e não pediram conselho à boca do Senhor" (Josué 9:14). O fato de compartilhar o mesmo pão era um sinal inviolável de amizade, de hospitalidade e de aliança. "E Josué fez paz com eles e fez um concerto com eles, que lhes daria a vida; e os príncipes da congregação lhes prestaram juramento" (Josué 9:15). Depois de três dias foi que descobriram que eram moradores vizinhos que deveriam ser conquistados, mas por causa do juramento ficaram com o chamado “rabo preso” com o inimigo, Js 9:16-22. Se observarmos o início do capítulo 10 poderemos ver que esse povo quase complicou a vida de Josué e dos israelitas. Só não complicou por causa da misericórdia divina. Cuidado jovem com suas alianças. Aquele que se une a uma meretriz torna-se um com ela. Não há comunhão entre luz e trevas; entre Deus e o mundo; entre o fiel e o infiel. Entre o santo e o profano. Não se alie aos pecados de seus amigos, mas conquiste seus amigos para Deus.

  CONCLUSÃO: Em Filipenses 3.12-14 Paulo nos fala: "Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus". Jovens fortes e conquistadores, vamos levantar a bandeira, que é o nome do Senhor Jesus, e fazermos um propósito de avançarmos sempre, pois a cada passo estaremos mais perto das conquistas, independente das circunstâncias.

 Ministração preparada para o II Acampajovem da IPR de São José-SC Pastor Wanderley da Silva
Postar um comentário