quarta-feira, 27 de junho de 2012

Vida a dois - só com valorização mútua


Reconheça o Valor de Seu Cônjuge
Mt 6:21

Você é uma pessoa, portanto você possui um conjunto único de valores. Ninguém é como você!
Mas não se esqueça: do seu lado está outra pessoa, que também possui um conjunto de valores. Ninguém é como ela!

Quando casamos precisamos unir-nos em torno daquilo que de fato é fundamental.

Muitos dos nossos valores estão ligados às pequenas e grandes coisas. No entanto, para que haja bom relacionamento é conveniente que abramos mão de alguma preferência, bem como tomemos alguma atitude diante de outras para mantermos, não apenas a boa, mas a saudável convivência.

As preferência estão ligadas à alimentação, vestuário, cor, flor, marca, profissão, lazer, religião, etc.

Jesus falou de valores: “onde estiver o seu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mt 6:21). Apesar do contexto se referir a questão de valores espirituais eternos, nada impede que apliquemos este princípio na existência humana relacional, familiar, etc.

Dentro da questão valores, podemos classificá-los em:

  1. Valores Materiais – é importante que sejamos responsáveis e mantenhamos um bom padrão familiar nesta questão. Provisão – apoio – suprimento. O apóstolo Paulo disse que “se alguém não tem cuidado dos seus, negou a fé e é pior que o infiel”. Mas isso não é tudo. Jesus falou: “que adianta ao homem ganhar o mundo todo e perder a alma”. Não pode um casal estar satisfeito ao obter sucesso material apenas. Este pode ser subdividido em:
    1. Necessários – “se alguém tem o que comer, beber, vestir, sinta-se satisfeito”. Claro que isso é o mínimo – o que já deve me impedir de murmurar.
    2. Supérfluos – tudo aquilo que me compromete de ter uma vida financeira com bom fôlego. Exemplo: nunca posso ajudar alguém porque estou sempre na forca.

  1. Valores Espirituais – o Reino de Deus deve ser implantado como prioridade no seio familiar. Jesus falou: “Buscai, pois em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e as demais coisas lhe serão acrescentadas” (Mt 6:33). A família precisa ser uma extensão da igreja – adoradora, evangelizadora e praticante do amor, que é o cumprimento da Lei: “amarás a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Jesus deve ser o fundamento de uma família que pretende superar e vencer os atuais desafios. Sabemos que muitos dos problemas enfrentados pelas famílias fracassadas tem a ver diretamente com a questão espiritual.

  1. Valores Morais – Vivemos num mundo ameaçador dos bons princípios morais. A imprensa falada, escrita, informatizada nos apresenta, sem qualquer pudor, uma enxurrada de maus exemplos e tentam corroer os bons costumes. “As más conversações corrompem os bons costumes”. O Salmista declarou: “não porei coisa má diante dos meus olhos” (Sl 101:3). “Ensina o menino o caminho que deve seguir e quando crescer não se desviará dele”. Seja exemplo do bom proceder. Discipline quando houver necessidade.

  1. Valores Intelectuais – Não podemos ser displicentes na área intelectual. Muitos tentam esnobar a ciência. Há necessidade de termos informações, formações e desenvolvimento cultural. Invista em literaturas sadias, a fim de crescer e desenvolver o raciocínio e a memória. Estude, pois não há limite para conhecer.

  1. Valores Sociais – nada melhor do que a boa convivência. Essa semana alguém me contou que tinha sérios problemas com um vizinho que era seu próprio irmão. Foi ao delegado e deu parte. O delegado chamou os dois e por fim disse: “se vocês não podem ser bons irmãos, pelo menos sejam bons vizinhos”. Resultado: o que deu parte acabou dando carona ao outro para retornar para casa. “No que depender de vós tenha paz com todos os homens”. Como vai se comportar um filho que vê seu pai ou mãe falarem mal da sogra, às vezes até brincando? E o que dizer das conversas que traduzem aos filhos uma imagem negativa do vizinho, do patrão, de um parente? Ou o filho que ouve o pai falando mal da esposa, ou vice-versa? “Cada um considere os outros superiores a si mesmo”. Outra orientação: “Levai as cargas uns dos outros”; “abençoai e não amaldiçoeis”.

  1. Valores hereditários – São aqueles que recebemos por parte de nossos antepassados, podendo ser bons ou maus (não no sentido moral, mas como algo desatualizado). Exemplos: “aqui não estudamos – trabalhamos”; “Mulher não pode trabalhar, só cuidar da casa”. O machismo é uma herança que muitos podem herdar e com isso levar a relação familiar ao sofrimento. Devemos filtrar os valores recebidos por herança. Se forem bons preservamos, ou se forem maus, abolimos. Não é porque seu pai foi ou praticou algo, que você precisa repetir.

Conclusão: Qual é a radiografia do seu casamento e da sua família? Vamos encerrar lendo o Salmo 128 que descreve o quadro de uma família que valoriza o que, de fato, tem valor. Esses valores não são alcançados apenas com intenções ou orações, mas com atitudes.

Postar um comentário