segunda-feira, 2 de maio de 2011

A Síndrome da Fuga

A SÍNDROME DA FUGA

"Então, disse eu: quem me dera asas como de pombas! Voaria e acharia pouso. Eis que fugiria para longe e ficaria no deserto." Salmo 55:6,7

INTRODUÇÃO: Há pessoas que sem motivos aparentes vivem fugindo de tudo e de todos. Usam várias alternativas como caminho para suas fugas. Uns dormem demais, outros entregam-se aos vícios, tais como cigarros, bebidas e drogas; e ainda há àqueles que fazem do trabalho, e da própria religião, meios de escape para os seus conflitos mais interiores.

TRANSIÇÃO: O salmista, no texto básico, chega a dizer: "Se eu tivesse asas como de pombas eu fugiria para bem longe no deserto". Davi sentia-se injustiçado pelos inimigos e abandonado pelos amigos. Na linguagem popular chama-se isso de "mania de fuga"; mas no vocabulário científico isso é realmente Síndrome de Fuga, que abrange três áreas:

1. Fuga dos outros:
Para muitas pessoas a vida comunitária é um tremendo sacrifício. Viver em condomínio é um verdadeiro inferno. Fogem dos vizinhos, fogem dos colegas, fogem dos amigos, fogem até de parentes. Nem atendem telefone.
A síndrome da fuga descarta a possibilidade de ampliar o círculo das amizades e contraria o provérbio de Salomão que diz: "Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão" (Provérbios 17:17).

2. Fuga de si mesmo:
Se existe algo desolador é quando não conseguimos conviver conosco mesmo. Há pessoas que se pudessem sair do seu corpo e refugiar-se em um lugar fora deste planeta, realmente fariam isso.
Billy Graham conta que, certa ocasião, viajava para uma de suas cruzadas e no avião sentou ao lado de uma senhora que parecia muito aflita. Na hora do almoço ele trocou uma conversa com ela e ouviu dela que estava viajando para umas férias. Ela lhe disse: "Dr. Billy Graham, estou fugindo das lutas de casa. Estou na verdade, fugindo das pessoas - marido, filhos, amigos e colegas. Infelizmente não consigo fugir da pessoa que mais me perturba, que sou eu mesma. Onde eu vou essa pessoa tem que ir comigo". Fugir de si mesmo é não aceitar-se como realmente é.

3. Fuga de Deus:
Será que podemos fugir de Deus? Adão tentou fugir de Deus, mas não conseguiu. Assim diz o texto de Gênesis 3:9: "E chamou o Senhor Deus o homem e lhe perguntou: Onde estás?" Há pessoas que vivem fugindo de Deus.
O salmista chega a dizer: "Para onde me ausentarei do teu espírito? Para onde fugirei da tua face" (Salmo 139:7). Não há lugar no planeta Terra e nem nos céus onde Deus não possa estar. Até no mais profundo abismo o Senhor está presente.
Infelizmente o homem tenta, de uma forma ou de outra, fugir de Deus, às vezes dizendo-se ateu ou agnóstico. É mais confortável pensar assim do que admitir a existência de um Deus pessoal e atuante no mundo.

CONCLUSÃO: A síndrome da fuga tem destruído muitas vidas. Olhem o exemplo de Jacó.
  • Ele fugiu dos outros - seus parentes, pais, irmão, sogro e cunhados;
  • fugiu de si mesmo quando disse: "Eu não sou Jacó. Meu nome é Esaú".
  • Tentou fugir do próprio Deus. Ele disse em Betel, depois de uma noite mal dormida: "Na verdade o Senhor está neste lugar e eu não o sabia. Quão terrível é este lugar" (Gênesis 28:16,17).
  • Não podemos fugir das circunstâncias que estão lado a lado de nossa vida. Precisamos encará-las como sendo a vontade de Deus para fortalecer a nossa postura cristã evangélica. Eis as palavras de Paulo: "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Romanos 8:28).

Postar um comentário