terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O PERIGO DA AMARGURA

O PERIGO DA AMARGURA
Hebreus 12:15

Introdução: A amargura é um sentimento que demonstra a falta de um espírito de reconciliação e pode ser verificada pelas seguintes atitudes: projetando maneiras de vingar-nos na primeira oportunidade; recordação dos mais íntimos detalhes de um evento que aconteceu há muito tempo; se nos sentimos ressentidos, e devido a isso estamos tratando de justificar o ressentimento dizendo “eu tenho razão”; quando lemos a Bíblia e quase inconscientemente aplicamos a Escritura a outros em vez de nós mesmos.

1 – A amargura de Levi e de Simeão – Gn 34

Algumas lições desta história:

a – A raiz de amargura faz brotar em nós o desejo de vingança (v.14);
b – Nos cega de tal maneira que não medimos o que fazemos (vs. 25 e 26);
c – Nos leva a pensar que o que fazemos está certo (v. 31);
d – A raiz de amargura afeta a todos os que nos rodeiam (v.30).

2 – A amargura de Simão – Atos 8: 23

Algumas lições desta história:

a – O desejo de figurar, de anelar cargos na igreja, termina gerando amargura. O humilde não se amargura e serve o que Deus lhe dá (Atos 8: 18-19).
b – A inveja gera amargura para com os líderes, os irmãos, e até mesmo com Deus (At.8:23).

3 – Conseqüências da amargura:

a – A alma amarga impede que entendamos os verdadeiros propósitos de Deus em determinadas situações;
b – A alma amarga contamina a outros. Por meio de suas palavras o amargurado busca adeptos à sua causa. E quem se une é seu amigo e quem não se une é seu inimigo (Pv.26:21; Tg.3:5-6).
c – A alma amarga dá lugar ao diabo (Ef.4:26-27)
d – A alma amarga pode afetar a saúde (Tg.3:5-6).

4 – Como se libertar da amargura:

a – Reconhecer que o que estamos sentindo é pecado e arrepender-nos de senti-lo (Hb.12:14);
b – Não justificar que temos razão para sentir-nos assim, nem por isso deixa de ser pecado;
c – Perdoar ao ofensor como Deus nos perdoou (Ef.4:31-32; Mt.18:23-35);
d – Se a pessoa não reconhece a sua falta, devemos fazer cumprir a nossa parte com amor, perdoando-lhe e pedindo-lhe perdão.

Conclusão: Todo sentimento contrário à vontade de Deus, expresso em sua Palavra, deve ser eliminado da nossa vida para que o projeto de Jesus se cumpra em nós, e sejamos vitoriosos.
Postar um comentário